sábado, 27 de março de 2010

COMO COMEÇAR UM BLOG...


COMO COMEÇAR UM BLOG...
Uma pergunta, uma indagação, uma dúvida... Ah... é assim, escrevendo. Depois olhando um pouco pra dentro de nós, de mim, neste caso e deixando que as histórias tomem conta desses espaços, permitindo que a imaginação concorra com a rapidez necessária da digitação. E a sequência vai aparecendo, vão sendo retirados do quotidiano aquilo que pode ser exposto, revelado, partilhado, socializado enfim. Então pensei num princípio chamado "UM PASSEIO PELA MINHA HISTÓRIA" com palavras, sentimentos, recordações, trazendo o passado para este presente: minhas apropriações. Minha vida.
PENSEI NUM NOME PARA O BLOG, ASSIM COMO BATIZAR UM RECÉM NASCIDO. PERAMBULEI POR PALAVRAS, SIGNIFICADOS, SENTIMENTOS... ATÉ ME DEPARAR COM TAGARELICES. E DA CI. FOI ASSIM BATIZADO: TAGARELICESDACI. PRONTO. NASCIDO E BATIZADO.
MEU COMPANHEIRO DE TODAS AS HORAS, O HOUAISS, INFORMOU-ME QUE TAGARELICE É:
- HÁBITO, COSTUME DE TAGARELAR, TARAMELAGEM.
- CONVERSA LONGA E DESPRETENSIOSA
- BARULHO OU RUÍDO DE CONVERSAÇÃO
TAÍ. GOSTEI...


SOU CIDINHA SOUZA PINTO. NÃO É NOME DE BATISMO. É APELIDO COM SOBRENOME, MANEIRA QUE ENCONTREI DE ABREVIAR UM NOME EXTENSO. HOMENAGEM QUE MINHA MÃE FEZ A NOSSA SENHORA APARECIDA POR EU TER “VINGADO”, COMO ME DIZIA.
DOIS ANJINHOS ANTES DE MIM FORAM MORAR NO CÉU. EU, NÃO. MORO AQUI MESMO NESTE MUNDO POVOADO. ESTOU VIVA E COM OS DOIS OLHOS BEM ABERTOS PARA TUDO O QUE ME RODEIA.
POR PARTE DE PAI, SOU CAIPIRA, MATEIRA. ANDEI POR TRILHAS, ESTRADAS POEIRENTAS, MONTEI MINHA ÉGUA MENINA E MEU POTRO PETISCO. NADEI EM RIOS, PESQUEI LAMBARIS DO RABO VERMELHO, REMEI CANOA, CONDUZINDO-A POR MOITAS DE ‘BARBA DE BODE” QUE NASCIAM EM PEQUENAS ILHAS.

DIRIGI CARROÇA, CHARRETES. TOMEI LEITE “TIRADO NA HORA” COMO SE DIZIA.

ESCUTEI O DOCE MURMÚRIO DO CAFÉ SENDO COADO EM COADOR SUSTENTADO POR GRANDE ARMAÇÃO DE MADEIRA. FEITO EM FOGÃO DE RABO, O FOGÃO À LENHA. E POR MINHA MÃE. BRINQUEI DE MOCINHO, ÍNDIO E BANDIDO COM MINHAS PRIMAS ROSA E REGINA.
METI OS PÉS EM BOSTA DE VACA, OUVI OS LAMENTOS DE PORCOS SENDO BRUTALMENTE ASSASSINADOS POR MEU PAI E SEUS “CAMARADAS”, MAS QUE NOS SERVIRIAM DE ALIMENTOS DEPOIS DA MATANÇA. TENHO OS PUNHAIS DE PRATA GUARDADOS COMO LEMBRANÇA.

COMI PÃO AMASSADO COM AS MÃOS E ASSADO EM “FORNO BARRIGUDINHO”. TINHAM FORMATO DE POMBINHAS COM OLHOS ENFEITADOS COM FEIJÃO...

VI O SOL NASCER ANTES QUE O MUNDO ACORDASSE. ESCUTEI CANTOS DE PÁSSAROS DIURNOS E NOTURNOS.
NUNCA TIVE MEDO DE ESCURO, DA NOITE, DE LOBISOMEM OU DE ALMA DO OUTRO MUNDO. FOGO FÁTUO ERA UM FENÔMENO EXPLICÁVEL, LINDO DE SE VER. ASSOMBRAÇÕES ERAM CONTOS DE FADAS. PAPAI NOEL SEMPRE EXISTIU. NUNCA FUI TRAÍDA.

RELÂMPAGOS E TROVÕES FAZIAM PARTE DA NATUREZA COMO O DIA E A NOITE.

VIVI INTENSAMENTE BRINCADEIRAS DE CRIANÇAS: JOGO DE BOLA DE MEIA, DE PEGA-PEGA, DE JOGAR MALHA NA RUA, DE PIQUE, AMARELINHA E VAI POR AÍ. AH... ERA MUITO BOA EM CINCO MARIAS.
ANDEI DE BICICLETA. CAÍ MUITO, MAS CONSEGUI DOMÁ-LA. FICAMOS COMPANHEIRAS, CAMARADAS.

EXPERIMENTEI O SIGNIFICADO DA ESPERA, QUANDO MEU PAI SAÍA EM COMITIVA PARA TANGER O GADO. COM DIA DE PARTIDA, SEM DIA DE CHEGADA. APUREI OS OUVIDOS E O OLFATO PRA RECONHECER DE LONGE SUA PRESENÇA: O CHEIRO DE SUOR EM ROUPA DA LIDA, O LATIDO DOS CACHORROS EXAUSTOS PELOS LONGOS DIAS DE CAMINHADA COM O GADO... APRENDI DESDE CEDO TAMBÉM COLOCAR O DEDO POLEGAR NA BOCA E ME ACALMAR, ESPERANDO O SONO CHEGAR, NO COLO MACIO0 E ACONCHEGANTE DE MINHA MÃE.

MOREI, COM CERTA VERGONHA DE MENINA, EM CASAS VELHAS, COM ALGUMAS PAREDES DE PAU A PIQUE, EMBORA CONSTRUÍDAS NA CIDADE. HOJE, SERIAM CONSIDERADAS UM CHARME, UMA NOVIDADE,
MINHA MEMÓRIA É CONSIDERADA POR MUITOS COMO RARA, ÚNICA. BRINCO COM DATAS, LOCAIS, PESSOAS EM CENAS E CENÁRIOS, EM QUE FATOS DO PASSADO TÊM O SABOR E O CHEIRO DO PRESENTE. E O PRESENTE AINDA MAIS PRESENTE, O “AQUI E AGORA” COMO LEMA DE MINHA VIDA.

DE MINHA MÃE, O LEGADO FOI DÓCIL, ACONCHEGANTE, VOLTADO PARA DENTRO DA ALMA. SILENCIOSO AFETO. PRESENÇA MARCANTE, ACOLHEDORA. OLHOS AZUIS DA COR DO CÉU, QUE AO ME OLHAR, DISPENSAVAM PALAVRAS. ENSINARAM-ME OLHAR PESSOAS E A VIDA DE FRENTE, A SEMPRE ENTRAR SENDO CONVIDADA E A SAIR, DESPEDINDO-SE COM AGRADECIMENTOS.

PROFESSORA, ENSINOU-ME DESDE MUITO CEDO SEGURAR O LÁPIS COM A MÃO DIREITA. ERA CANHOTA. FIQUEI DESTRA. AMBIDESTRA, PRA MEU CONFORTO.

CRESCI RODEADA DE ARTISTAS ANÔNIMOS: VOVÔ RECEBIA EM SEU HOTEL, ZEQUINHA DE ABREU, QUE LHE VENDIA PARTITURAS E TOCAVA PARA ELE: BRANCA, TICO-TICO NO FUBÁ...
MINHAS TIAS TOCAVAM PIANO E VIOLINO. E CANTAVAM. CONVIVIAM COM A FAMÍLIA BECKER, SEUS VIZINHOS: CACILDA E CLEIDE (YACONIS).

TIO JOÃO ERA O MELHOR NA PINTURA A GUACHE. DESENHAVA E PINTAVA FIGURAS HUMANAS, MAIS HUMANAS QUE AS PRÓPRIAS FIGURAS. E O BICO DE PENA ENTÃO... TENHO COMIGO SUA CAIXA DE MADEIRA E AS PENAS PARA USO DE TINTA NANQUIM...

DESENHO E PINTURA ME ACOMPANHARAM. ACREDITAVA, E ESSA ERA MINHA VERDADE, QUE O MUNDO QUE ME RODEAVA ESTAVA DISPONÍVEL PARA QUEM O QUISESSE TOCAR. MAIS TARDE ENTENDI QUE HÁ “PEDRAS NO CAMINHO”.

LI LIVROS PARA CRIANÇAS, PARA ADOLESCENTES E PARA ADULTOS. FUI A PRIMEIRA ALUNA: DISCIPLINADA, ATENTA. TÍMIDA ATÉ. CARREGAVA BANDEIRAS PARA SEREM HASTEADAS NA CLASSE. SABIA DE COR OS HINOS PATRIÓTICOS. MAMÃE OS CANTAROLAVA TODOS E CHORAVA PELA EMOÇÃO. TAMBÉM PUDERA... NASCEU NUM 07 DE SETEMBRO...
LIVROS SEMPRE FORAM MEUS GRANDES COMPANHEIROS. NÃO FUI PRIVILEGIADA. APENAS ABSORVI O QUE ME FOI CARINHOSA E AMOROSAMENTE DADO.

MINHAS TIAS, TODAS PROFESSORAS, PINTAVAM, DESENHAVAM. E O FAZIAM PRA MIM COMO FAZIAM PARA SEUS ALUNOS: COM CARINHO. APRENDI QUE A ARTE É DÓCIL, POR MAIS AGRESSIVA QUE POSSA SER SUA FACE.. VEM DA ALMA. AÍ É SEU NASCEDOURO. NÃO FERE E NEM SE SUBMETE.

TIO ZÉ MARIA ERA MARCENEIRO. FEZ LINDAS CAIXAS PRA MIM. TENHO-AS COMIGO. SOU GUARDADORA DE LEMBRANÇAS E COISAS...
TIVE MINHA PRIMEIRA MÁQUINA FOTOGRÁFICA, A PEQUENINA kODAK, QUE USAVA ROLINHO DE FILME 127, POR VOLTA DOS 10 ANOS. ATÉ ENTÃO ERA FOTOGRAFADA POR ELA. TENHO-A COMIGO. APOSENTADA.
OS PRIMEIROS LÁPIS AMERICANOS PRA PINTAR. MAS SÓ EM CASA. NA ESCOLA, NÃO. ERAM CAROS. MUITO CAROS. TENHO-OS ATÉ HOJE, ALGUNS JÁ CONSUMIDOS PELO CONSTANTE APONTAR. E FOI COM ELES QUE FIZ MEU PRIMEIRO DESENHO. UM PRÊMIO CONQUISTADO. UM LIVRO SOBRE GATINHOS. ESTÁ COMIGO, COMO MEU MAIS IMPORTANTE DOS PRÊMIOS QUE RECEBI. E JUNTO COM MEUS HOJE 13 GATOS. COMO OS DESENHOS, AS PINTURAS, OS LÁPIS, MEUS GATOS JÁ FORAM EM MAIOR NÚMERO.

O TEMPO DÁ SUAS EXPLICAÇÕES, ASSIM COMO AS TEM DADO PARA AS PERDAS. TODAS. SEM DOR. SEM LAMENTO. SÓ SAUDADE. E A SAUDADE NÃO OS RECOLOCA, MEU PAI, MINHA MÃE, AMIGOS, MINHA INFÂNCIA, ADOLESCÊNCIA, JUVENTUDE E OS ANOS DE MATURIDADE, DE VOLTA AOS SEUS ANTIGOS LUGARES. HOJE OCUPAM NOVOS ESPAÇOS EM MINHA VIDA, TÃO CHEIA DE SIGNIFICADOS DO PRESENTE. DESSE PRESENTE ÚNICO, TANGÍVEL QUE FAZ HISTÓRIA.

2 comentários:

  1. CIDINHA
    MENINA VIVA, CHEIA DE VIDA E VIVER.
    GATOS SOLTOS, PÁSSAROS LIVRES, CORES MARCANTES, FLORES ABUNDANTES.
    GUARDA EMOÇÕES, LEMBRANÇAS, PASSADO E PRESENTE.
    FOTOS, LUGARES, RELICÁRIO.
    AMIGOS...HÁÁÁ, COMO É BOM TER TE CONHECIDO.
    FAZER PARTE DE MINHAS LEMBRANÇAS E SONHOS.
    QUANDO JOVEM QUERIA SER COMO CIDINHA...INDEPENDENTE, FUÇADA, MODERNA, CHEIA DE VIDA.
    QUE CONTINUE POR MUITOS ANOS COM ESTE JEITO BREJEIRO, ANTENADA E MUITOS ANOS Á FRENTE DESTA GERAÇÃO QUE SE DIZ MODERNA.
    BEIJÃO
    JÚLIO CÉSAR DAL MONTE

    ResponderExcluir
  2. JULIO QUERIDO, MEU QUERIDO AMIGO. vOCÊ, NA ADOLESCÊNCIA, COM O ZÉ ANTONIO E O DART. EU, JÁ INICIANDO UMA CARREIRA PROFISSIONAL. MAS SEMPRE UNIDOS NA CASA DA MAJOR PEREIRA, NOS DOMINGOS DE VISITAS, NA TÃO QUERIDA PIRASSUNUNGA. JÚLIO, O ARTISTA, QUE VIROU HOMEM. CRESCEU E DEIXOU LEMBRANÇAS. SUA MENSAGEM ME DEIXOU EMOCIONADA. ESCREVER SOBRE A EMOÇÃO É IMPOSSÍVEL. DEIXÁ-LA ENTRAR E VIVENCIÁ-LA... AH COMO É BOM. COM TODOS O CARINHO DO MUNDO... CI

    ResponderExcluir